O papel da Comunicação na modelagem de negócios

A Comunicação, junto com a área de Finanças, tem um papel fundamental na modelagem de um negócio, uma vez que o empreendedor precisa ter três conversas muito importantes antes de por a ideia no mercado, e continuar tendo depois que conseguir entrar no mercado, para que consiga competitividade.

Falando com a sua marca

O maior problema que um empreendedor tem que superar é a falta de fit (ou identificação) do seu produto ou serviço com o mercado. Oferecer algo que não atende às necessidades ou direcionar ao público errado pode ser fatal para uma startup ou qualquer outro negócio que recém saído do nascedouro!

Aqui temos a primeira conversa… o empreendedor precisa falar com a sua marca! Precisa descobrir quatro pontos, qual o seu valor proposto, o seu diferencial, os problemas que pode resolver e como resolvê-los.

O valor proposto é o que ele traz com seu serviço/produto que irá agregar algo mais para o seu cliente. É  algo que o torna especial e presente na cabeça do cliente e que o fará ser lembrado no futuro. É como diz a frase… “As pessoas esquecem o que você diz, escreve ou faz… no entanto, o que as fez sentir fica para sempre”.

A partir daí é necessário saber o que permitirá à sua marca causar essa experiência do cliente, é preciso saber qual o seu diferencial, o que você diferente ou melhor do que a concorrência, a ponto do cliente optar por você sem pestanejar! São suas habilidades, experiências, conhecimento, comunicação interpessoal etc.

Se você sabe que é capaz de gerar um valor agregado, por meio de habilidades e competências peculiares, que te destacam da concorrência, é hora de pensar em que tipo de problemas a sua marca pode ajudar os seus potenciais clientes, através dos seus serviços e produtos. Faça uma lista… escute o que a sua marca tem a dizer sobre isso para que possa ser levado ao mercado!

Por fim, analise como o seu produto/serviço pode resolver esses problemas levantados, a partir de seus pontos fortes, que geram o seu diferencial competitivo, e atender seus clientes oferecendo uma experiência realmente bacana, que agregue um valor ao que foi contratado! Que tipo de soluções você tem na manga para que isso aconteça? Quais características o seu serviço/produto, oferece para o cliente sanar as dores que está sentindo?

Essa conversa direcionará toda a modelagem do negócio, impactando nas outras duas conversa, a com o processo e a com o cliente.

Falando com o seu processo

A conversa com o processo é um momento de estruturação, de tirar a ideia do papel! Aqui é o momento do empreendedor definir quais os seus parceiros-chaves (aqueles que darão suporte de algum tipo ao produto/serviço que será entregue), quais as atividades que precisarão ser cumpridas para que o cliente recebe o que foi contratado, os recursos que serão necessários para que tudo seja produzido e realizado durante a execução das atividades.

Aqui há uma conversa com o outro pilar da modelagem do negócio, a gestão financeira. É aqui que a marca tem uma conversa séria sobre a grana necessária para que tudo se torne viável, como os custos do processo e os custos administrativos. Neste ponto, é importante que a conversa com a marca tenha sido clara e efetiva, afinal dará o direcionamento para o processo, e ruídos podem causar desperdícios que impactarão na saúde do negócio, o segundo maior vilão da sobrevivências das startups!

Falando com o seu cliente

Depois de conversar com a marca e com seu processo, incluindo aqui a gestão financeira, o empreendedor precisa ter uma conversa com o seu mercado para entender quem são os seus clientes e como se relacionará com eles!

Entender quem são as pessoas ou empresas que utilizarão o seu serviço/produto é o começo da conversa. É preciso ter em mente que não se pode atender “todo mundo”, tem que ver quem se beneficiará com as suas soluções.

Depois de definido o range do público-alvo, segmentar é o próximo passo para que se possa entender quais soluções atenderá determinadas parcelas/segmentação dos potenciais clientes.

E como se dará o relacionamento com os clientes? Ofertando conteúdo? Suporte técnico? Contato por redes sociais? Como o produto ou serviço será entregue? As possibilidades tendem ao infinito, porém é preciso que estejam em harmonia com o que a sua marca se propôs a entregar como valor agregado e seu diferencial. Assim como os canais em que essa interação acontecerá com os clientes.

Esses três momentos de conversa devem acontecer dentro de uma harmonia de Comunicação, que leve a um conhecimento mais profundo e efetivo da marca, e que conduzirá a modelagem do negócio. No entanto é preciso se atentar ao pano de fundo de todo esse processo de estruturação, a Cultura que será empregada na marca.

Os valores, crenças, visão e missão que definirão a identidade e a imagem de uma marca nasce direto do(s) seu(s) fundador(es), por meio de seus sonhos. Não se pode negligenciar isso durante as conversas que foram mencionadas aqui, afinal ela são o guia para essa Cultura seja percebida pelo mercado, por investidores e por futuros empregados!

Fica aqui uma dica (ou recomendação, se preferir) para quem está modelando o negócio de sua startup, faça mentoria com pessoas que possam te orientar nessa direção e cuide da sua Comunicação, desde o começo da ideia.

A Comunicação, quando aplicada ainda na modelagem, impactará na sua estratégia de marketing/vendas, no pós-vendas e no atendimento ao cliente, no planejamento e organização das pessoas do seu time, e na construção da imagem e da reputação da marca.

Como está a Comunicação dentro da sua marca? Precisa de uma mão? Quer conversar? Fique a vontade, será um prazer ajudar! ;D

Leave a Reply

Your email address will not be published.