Gestão de Riscos – Por que um projeto precisa de uma?

Quando se começa um projeto, independentemente do tamanho e da abrangência, é importante ter em mente que isso envolverá riscos.

O risco é algo que pode vir a acontecer e impactar nos objetivos de um projeto, seja positiva ou negativamente. Geralmente confundido erroneamente com incertezas, na verdade os riscos estão dentro destas incertezas. E por que ficar atento a eles é importante? Porque um projeto bebe diretamente do tempo de uma organização e, consequentemente, de seus recursos. Para gerenciar esses carinhas surge em cena então a Gestão de Riscos.

A Gestão de Riscos trabalha com a competência analítica, olhando tanto para o presente quanto para o passado e para o futuro de um projeto. Olha para o passado porque lá estão os fatos, as lições identificadas e aprendidas, que ajudarão nas ações do presente.

O presente é o tempo onde as ações do futuro são planejadas, precavendo-se de sustos ou surpresas, analisando as ações que devem ser tomadas e a direção a ser seguida no projeto. O planejamento irá olhar para o futuro, pensando em alternativas possíveis para agir em um provável momento de risco, isto porque o futuro é feito de incertezas que dominam o âmbito, o contexto e o cenário de um projeto.

O risco geralmente é configurado por pessoas e atrapalha o andamento do projeto, por exemplo, a equipe não falar a mesma língua, deixando uma comunicação desencontrada e com ruído. Um processo ruim também pode causar danos ao projeto devido a retrabalhos e atividades realizadas de uma maneira ineficiente e, principalmente, um planejamento deficiente.

Existem estratégias de resposta ao risco quando se olha pela ótica da oportunidade. É possível explorar, compartilhar, melhorar ou rejeitar essas situações de riscos, em outras palavras, ao se deparar com uma situação de risco é possível explorá-la e ver o que é possível identificar de positivo, compartilhar esse aprendizado, melhorando o projeto ou simplesmente rejeitar, caso não seja o momento de aplicá-lo. Também é possível planejar estratégias no caso destes riscos apresentarem ameaças ao projeto, simplesmente eliminando-os, transferindo para uma fase em que se estará melhor estruturado para tratá-lo ou aceitá-lo como parte do projeto, mitigando seus efeitos e incorporando-os no projeto.

Uma tecnologia nova identificada durante o projeto pode trazer novas oportunidades não só a este como a outros projetos e explorar e compartilhar isso pode trazer resultados interessantes, por outro lado, ao identificar uma deficiência em executar uma atividade do projeto devido à tecnologia ou ao conhecimento disponível na organização, naquele momento pode ser um problema que não pode ser eliminado e deverá fazer parte do projeto até o melhor momento de retirá-lo de cena.

Duas coisas são importantes para serem lembradas, a primeira é que a comunicação dentro da Gestão de Riscos é fundamental para a saúde de projeto, e a outra é que uma Gestão do Projeto ineficiente não deve usar a Gestão de Riscos como muleta para encobrir seus problemas.

 

* Publicado originalmente no Ideia de Marketing.

Leave a Reply

Your email address will not be published.